Programação da Rede Nordeste do Livro, Leitura e Literatura na XI Bienal Internacional do Livro do Ceará

bienal

DIA 11 (10h00 às 12:00)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Panorama da indústria do livro na era Digital – Ednei  Procópio e Carlo Carrenho – Mediação: Flávio Martins

DIA 11 (14h00 às 15h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Organizações sociais e a mediação da leitura (depoimentos de 3 ONGs que trabalham a mediação da Leitura)

DIA 11 (16h00 às 17h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Organizações sociais e a mediação da leitura (depoimentos de 3 ONGs que trabalham a mediação da Leitura)

DIA 12 (10h00 às 12h00)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC  – O papel das pequenas e médias editoras e livrarias na inovação do mercado editorial brasileiro: Karla Melo (Ed. Confraria do Vento, Afonso Martins (ANL), Flávio Martins (Ed. Conhecimento) –  Mediação: Mileide Flores

DIA 12 (14h00 às 15h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – O direito que ampara a literatura – da política do livro ao direito autoral: Carolina Campos e Kelsen Bravos

DIA 12 (16h00 às 17h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – O Escritor em Pauta – Cleudene Aragão, Vânia Vasconcelos e Carlos Vazconcelos

18h00

Encerramento com a retirada de um documento a ser entregue ao próximo Secretário de Cultura.

Anúncios

Clipping [ Direitos autorais: mudança de rumo, Valor Econômico – 28/01/2011]

Valor Econômico – 28/01/2011 – Por João Bernardo Caldeira
A visão da ministra da Cultura, Ana de Hollanda, sobre o tema do direito autoral suscita debates no próprio PT, comenta a coluna Avant Première. Após tirar do site do ministério a menção ao Creative Commons, que promove o licenciamento de conteúdo gratuito, houve questionamentos de José Dirceu e Paulo Teixeira, líder do partido na Câmara. O projeto de reformulação da Lei do Direito Autoral, encaminhado à Casa Civil pela gestão anterior, também retornará para análise, a pedido da ministra.

Dica de Leitura: A matemática dos Direitos autorais

A matemática dos direitos autorais

Versão impressa, modelo de varejo e modelo de agência são analisados

03/09/2010

Um agente especializado tem me ajudado a tentar analisar a fundo a questão dos direitos autorais. Nas tabelas abaixo, ele me ajudou com a metodologia, mas os números que aparecem são de minha responsabilidade. Espero que organizando a informação dessa forma eu ajude todo mundo a pensar na questão de direitos autorais dos e-books com mais precisão. Aliás, teremos um painel sobre esse assunto durante o Digital Book World em Janeiro.
Eu quero pensar sobre isso filosoficamente (eu gosto de pensar a respeito de tudo filosoficamente), mas esse post é sobre estabelecer uma estrutura de entendimento sobre quais são as reais implicações econômicas, para a editora e para o autor, das práticas de vendas atuais e da divisão de lucros. Então esse é um post do tipo “somente os fatos”.
Nós criamos três grupos de tabelas [todos baseados em valores, números e formatos do mercado norte-americano]: uma para comparar e-books com livros de capa dura, outra comparando e-books com os paperback, e o terceiro comparando os e-books com os livros mass-market paperback. Por causa dos relatórios que seguiram o anúncio da Random House-Wylie que sugeriu que os direitos autorais de e-books, ao menos em algumas listas, pode atingir 40%, nós calculamos como eles funcionariam tanto no modelo de venda no varejo como no modelo de agência com o autor recebendo 25% e com o autor recebendo 40%.

Cuidado com os Direitos autorais, alerta Galeno Amorim

Dica do Blog do Galeno:
A Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil tem insistido para que os autores evitem ceder os direitos autorais sobre suas obras sem definir o tempo de duração do contrato. Segundo a AEILIJ as mudanças constantes sobretudo agora com a chegada da era digital aos livros indicam a necessidade de os escritores darem mais atenção a esse tema. Leia as recomendações para os autores.