Programação da Rede Nordeste do Livro, Leitura e Literatura na XI Bienal Internacional do Livro do Ceará

bienal

DIA 11 (10h00 às 12:00)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Panorama da indústria do livro na era Digital – Ednei  Procópio e Carlo Carrenho – Mediação: Flávio Martins

DIA 11 (14h00 às 15h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Organizações sociais e a mediação da leitura (depoimentos de 3 ONGs que trabalham a mediação da Leitura)

DIA 11 (16h00 às 17h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – Organizações sociais e a mediação da leitura (depoimentos de 3 ONGs que trabalham a mediação da Leitura)

DIA 12 (10h00 às 12h00)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC  – O papel das pequenas e médias editoras e livrarias na inovação do mercado editorial brasileiro: Karla Melo (Ed. Confraria do Vento, Afonso Martins (ANL), Flávio Martins (Ed. Conhecimento) –  Mediação: Mileide Flores

DIA 12 (14h00 às 15h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – O direito que ampara a literatura – da política do livro ao direito autoral: Carolina Campos e Kelsen Bravos

DIA 12 (16h00 às 17h50)

FÓRUM RNELLL/FLLLEC – O Escritor em Pauta – Cleudene Aragão, Vânia Vasconcelos e Carlos Vazconcelos

18h00

Encerramento com a retirada de um documento a ser entregue ao próximo Secretário de Cultura.

logo_panorama

Secretaria Municipal da Educação
Vale-Livro para a 23ª Bienal Internacional do Livro
de São Paulo

A Secretaria Municipal da Educação de São Paulo irá destinar um Vale-Livro no valor de
R$ 10 (dez reais), aos alunos de Educação Infantil até o EJA, para a compra de livros durante a 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (22 a 31 de agosto).

Para participar deste programa:

•    cada editora pode indicar até 5 (cinco) títulos
•    o preço de venda durante a Bienal não poderá ultrapassar R$ 10 (dez reais)
•    os títulos serão avaliados e selecionados pela Secretaria Municipal de Educação
•    os livros devem ser entregues até 27 de junho, sexta-feira, na Câmara Brasileira do
Livro, rua Cristiano Viana, 91 – Pinheiros, 05411-000 – São Paulo – SP / aos cuidados de
Lis Ribeiro (Depto. de Comunicação)
•    cada livro deverá vir acompanhado da ficha preenchida, que está em anexo
•    oportunamente a CBL divulgará a lista dos livros selecionados

Qualquer dúvida, entre em contato com Lis Ribeiro: comunicacao@cbl.org.br/
11-3069 1300.

Secretaria Municipal da Educação – Vale-Livro para a 23ª Bienal

Governo: Sai lista de classificados para o PNLD 2015

PublishNews – 18/06/2014 – Leonardo Neto

MEC divulgará, nos próximos dias, guia com informações sobre cada uma das obras selecionadas

 O MEC, através da Secretária da Educação Básica (SEB), anunciou os livros classificados para o PNLD 2015, destinados aos alunos e professores do ensino médio. O ministério ainda não divulgou uma lista consolidada com os selecionados, mas os números de 2014 dão o tamanho do negócio que as editoras brasileiras estão para fechar. No ano passado, foram comprados quase 138 milhões de livros distribuídos para 31 milhões de alunos em quase 80 mil escolas espalhadas pelas cinco regiões brasileiras. Apesar de o MEC não ter anunciado oficialmente os classificados e nem ter divulgado os números das compras, as editoras já trataram de divulgar seus próprios números. Em comunicado enviado a acionistas e investidores, a Saraiva diz que, das 23 obras inscritas, 17 foram aprovadas, o que representa 74% de aprovação das obras submetidas. Em 2012, quando teve seleção de livros para o ensino médio, a Saraiva tinha um índice de aprovação de 66%. A Abril Educação – detentora das marcas Ática e Scipione – teve 20 títulos selecionados – de um total de 26 inscritos. As editoras que concorreram podem ver a situação de suas obras acessando o Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle  – Simec, com login e senha dados pela SEB.
A próxima etapa será conquistar os corações de secretários de educação, diretores, coordenadores e professores, responsáveis pelas escolhas de quais livros serão adotados em sala de aula. A Abril Educação saiu na frente e já criou uma ação de engajamento desse público. O movimento #EducarTransforma quer resgatar o encantamento pela arte de educar e aprender. A ação quer mobilizar, pelas redes sociais, para apoiar o PNLD 2015 e ainda estimular o público a compartilhar o conteúdo postado no site da campanha. Lá, os leitores e internautas encontram histórias inspiradoras de professores, autores e estudantes, além de artigos e vídeos de profissionais e especialistas da área sobre temas relacionados à realidade da educação brasileira, como, por exemplo, o emprego de tecnologia no ensino, boas práticas de ensino e eventos do setor da educação em geral. A Saraiva, também de olho nos professores, criou um hotsite com as suas obras escolhidas. Ali, os responsáveis pelas escolhas dos livros terão a chance de conhecer as obras e seus autores.

Tramita no Congresso Nacional projeto de lei (PL 4.534) que institui a Política Nacional do Livro

1. Isenção fiscal para suporte de livro digital é ponto polêmico em debate

Em audiência pública das comissões de Cultura e Educação, o mercado do livro digital no Brasil e o Projeto de Lei 4.534/2012, que atualiza a definição de livro e a lista de equiparados a livro foram temas debatidos por parlamentares e profissionais do setor. (Leia mais.)

2. Em tramitação no Congresso Nacional, PL 4.534 institui a Política Nacional do Livro

 Está em tramitação no Congresso Nacional o Projeto de Lei 4.534 que discute a inclusão de e-books e e-readers no conceito de livros, dando a eles os benefícios já conquistados pelos livros físicos. O assunto foi pauta de uma audiência pública no mês passado (leia mais)

Notícias do Mercado Literário:

EDUCAÇÃO  Escolas ampliam atuação de escritores

 01.06.2014

Focando em filão do comércio de publicações, editoras apostam em público infanto-juvenil

Fugindo da seara de publicações voltadas aos leitores adultos, as editoras brasileiras têm encontrados nas escolas o principal filão de a ser explorado. A venda de livros paradidáticos, voltados a crianças e adolescentes, tem aquecido o mercado editorial e já se tornou uma opção viável para escritores. A maior parte da venda não acontece direta ao consumidor. O crescimento do comércio está ligado diretamente à aquisição de livros pelas instâncias municipal, estadual e federal, em políticas regulares nos últimos dez anos, segundo levantamento da Câmara Brasileira do Livros (CBL).

Aproveitando a abertura da janela para a comercialização de livros, escritores e editoras cearenses apostam em títulos voltados ao público infanto-juvenil. Um exemplo dessa prática é o Programa Alfabetização na Idade Certa (PAIC), da Secretaria de Educação (Seduc), que desde 2007 auxilia os governos municipais cearenses ao incluir na lista de compra publicações para alunos do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental.

“Em 1999, eram poucos os autores que escreviam livros infantis”, diz Almir Mota, escritor, coordenador da Feira do Livro Infantil de Fortaleza e fundador da editora Casa da Prosa.

Apesar de trabalhar com a venda de livros em livrarias e através da internet, Almir reconhece nas escolas os principais compradores das publicações de sua autoria.

O mercado de trabalho dos escritores locais não fica restrito apenas às editoras cearenses. A demanda crescente de título do estilo faz com que empresas de outros estados vislumbrem nos autores da terra potenciais contratos, distribuindo seus trabalhos em diversas escolas de cidades brasileiras.

Com cerca de 20 livros publicados, todos eles voltados ao público infanto-juvenil, Almir tem buscado ampliar o escopo de venda de livros para outros estados brasileiros e até mesmo para outros países.

“Nos próximos meses começará a ser distribuído um livro de minha autoria em toda a rede municipal do Rio de Janeiro. Estou em negociação para que o mesmo aconteça no México e na Argentina”, diz o escritor. “O autor tem que ganhar o mundo começando do local e indo em direção ao universal”, afirma Almir Mota.

Outro nome que tem apostado nesse mercado é Jorge Pieiro, que deu um tempo na produção de textos fantásticos para escrever livros para crianças e adolescentes. “A rigor, não há diferença no processo de escrita de um livro adulto ou infantil. Na minha cabeça, não existem essas divisões. Uma ideia pode ser desenvolvida para qualquer tipo de público”, ressalta o escritor, que possui três títulos voltados para crianças.

Jorge ainda destaca o desafio no tocante à temática, avaliando como positiva a abordagem de assuntos que fogem do politicamente correto. “Por que o livro para um jovem precisa ter uma moral? Será que não posso denunciar, destruir determinado conceito ou falar um palavrão?”, provoca.

Quem também segue a tendência do mercado é o cordelista Paiva Neves, com seis livros publicados por editoras. Seus trabalhos adaptam à métrica do cordel os contos clássicos da literatura infantil, como “Patinho Feio” e “Soldadinho de Chumbo”. Assim como o trabalho de outros escritores, os livros de Paiva são distribuídos por editoras nacionais em outras cidades, como São Paulo e Brasília.

Crescimento

O trabalho realizado pela escritora Fabiana Guimarães dá uma ideia de como a demanda por livros produzidos por cearenses tem crescido na última década. Trabalhando com a produção de livros adultos de 1998, a escritora produziu, somente entre 2008 e 2014, 25 títulos voltados ao público infantojuvenil.

“Esse tipo de publicação tem um público específico e um mercado bastante aberto. Um bom livro infantil pode ser lido tanto por uma criança como por um adulto”, afirma a escritora.

A mudança de público de seus livros se deve a dificuldades da escritora de atingir o mercado de obras gerais. “Ficava triste quando um livro não saía bem. O professor quer alunos, o médico quer pacientes. Já eu quero leitores”, fala.

Editoras

Segundo Lucinda Marques Azevedo, presidente da Câmara Cearense do Livro (CCL), das 22 editoras associadas à instituição, 17 trabalham com a impressão de livros infantojuvenis.

Dentre essas, pelo menos seis possuem mais de 40 títulos voltados às crianças e adolescentes. Mas o número poderia ser bem maior, de acordo com a presidente da CCL. “Os governos compram poucos livros das editoras cearenses, focando nos livros que vêm de outros estados”, critica Lucinda Marques.

“O pior é que isso acontece pelo puro desconhecimento do que é produzido aqui. Se as três esferas de poder focassem nos livros cearenses, o crescimento seria gigante”, estima.

Ainda segundo Lucinda, não há levantamentos que apontem a quantidade ou ranking de vendas dos livros cearenses. “O mercado editorial ainda está se articulando para que isso aconteça”, aponta Lucinda.

Leonardo Bezerra 

Fonte: Diário do Nordeste

Repórter

Nilto Maciel para sempre!

No CCBNB, em conversa comigo e Jorge Piero
No CCBNB, Nilto Maciel em conversa com Jorge Piero e Kelsen Bravos.

Na foto, os escritores Kelsen Bravos e  Jorge Pieiro, no Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil (CCBNB), conversam com Nilto Maciel, referência para todos nós, que compartilhou sua densa e leve presença plena de estrada e história no fazer literário, no fazer da vida Literatura, no fazer da vida encontro por meio das relações e da Literatura. Que seja cada vez mais lido, para que promova cada vez mais encontros das pessoas de si para si e de si com os outros. Amar é não deixar morrer, por nós, o Nilto Maciel estará sempre intensamente vivo. Os videos trazem a participação do Nilto no programa Dois Pontos (criação de outro querido, o Felipe Barroso) com nossa mais talentosa e promissora escritora em língua portuguesa Tércia Montenegro  (anotem!)

Fonte dos vídeos: TV Unifor.

Assembleia do FLLLEC integra programação da Festa do Livro e da Rosa

Desde 2003, todo dia 23 de abril, em Fortaleza se promove a Festa do Livro e da Rosa – inspirada iniciativa da escritora, pesquisadora, produtora cultural, Cleudene Aragão, realizada pelo Instituto Travessias, em comemoração ao Dia Mundial do Livro. Dentro da Programação da Festa do Livro e da Rosa, o Fórum da Literatura, Livro e Leitura do Estado do Ceará – FLLLEC realizará Assembleia que cumprirá a seguinte pauta:

  • Informes
  • Apresentação de resultados das ações do FLLLEC
    • Rede Nordeste
    • Participação na Conferência Nacional de Cultura
    • Representações no Colegiado Setorial da Literatura, Livro e Leitura – CSLLL
    • Representação no Conselho Nacional de Política Cultural
  • Editais da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas
  • Revisão do Plano Nacional do Livro e da Leitura – PNLL
  • Plano Estadual da Cultura Infância
  • Plano Estadual do Livro e da Leitura
  • Planos Municipais do Livro e da Leitura

A Assembleia do FLLLEC ocorrerá de 17h às 19h no auditório do Centro de Humanidades da Universidade Estadual do Ceará.

Sobre a Festa do Livro e da Rosa

Na Catalunha, o dia 23 de abril, além de ser o dia do padroeiro, Sant Jordi (São Jorge em catalão), é também o dia das rosas e dos livros. Esta tradição catalã de oferecer rosas e livros às pessoas que se estimam transformou-se numa festa que, há quase 90 anos, atrai muita gente pelos valores que traz consigo. Todas as livrarias da cidade colocam stands nas principais ruas de Barcelona e dão descontos, enquanto os vendedores de rosas se espalham pelas praças e esquinas. Não é feriado, mas as pessoas saem mais cedo do trabalho para comprar o presente do(a) companheiro(a) e dos amigos e familiares e a cidade ganha um clima festivo.

Desde 1995, ano em que a Unesco, baseando-se nesta festa catalã, declarou o dia 23 de abril, Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, diversos países já adotaram esta velha tradição catalã como uma festa mais do seu calendário.

Em Fortaleza, a Festa do Livro e da Rosa chega a sua 9ª edição, celebrando 11 anos de fomento à leitura e amor aos livros, pois foi realizada pela primeira vez em 2003, também no Centro de Humanidades da Universidade Estadual do Ceará.

Festa do Livro e da Rosa 2014 – 23 de abril de 2014

Auditório do Centro de Humanidades da UECE

Realização: Instituto Travessias

GP LEER (Grupo de Pesquisa Literatura: Estudo, Ensino e (Re) leitura do mundo)

FLLLEC (Forum da Literatura, Livro e Leitura do Estado co Ceará)